sábado, 27 de dezembro de 2008

Boas Festas!

Já venho um bocadito atrasada, mas há que tentar que o Natal seja todos os dias, portanto...

Para todos continuação de um Feliz Natal e que 2009 vos traga imensas coisas boas!


Beijinhos com estrelinhas


Presépio tradicional, em casa da avó Lurdes

domingo, 21 de dezembro de 2008

Passarinhos pouco hospitaleiros

video

Pois é, é para não serem egoístas...

O vídeo perdeu qualidade... Mas era tão giro que não resisti :) Se quiserem mando-vos por mail.

domingo, 14 de dezembro de 2008

Não tenho escrito quase nada aqui... Hoje não vai ser excepção. Fica uma imagem, dizem que vale mais que mil palavras... ;)







Ah, e nem tudo o que parece é... :)

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Falta/Farta

Insatisfeita comigo e com o resto! Este é um daqueles dias...

Falta... - Farta...
...de descanso - ...de trabalhos
...de tempo - ...de correr
...dos amigos - ...de não os ver
...de divertimento - ...de televisão
...de exercício - ...de preguiça
...de Sol - ...de nuvens cinzentas
...de energia - ...de gastar tudo a pensar
...de sossego - ...de chatices
...de passeio - ...de casa-UA-casa
...de música - ...de sons pouco harmoniosos


Acho que tenho os chacras desalinhados...

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Dia Nacional da Cultura Científica! - 24/Nov

"Que ciência se faz em Portugal? Quem são os nossos cientistas? Como trabalham? O que investigam? Que resultados obtêm?

Todos os anos, em Novembro, durante a Semana da Ciência e da Tecnologia, instituições científicas, universidades, escolas, associações e museus abrem as portas para que estas e outras perguntas possam ser respondidas, dando a conhecer as actividades que desenvolvem, através de um contacto directo com o público."

Semana da Ciência e Tecnologia: 24 a 30 de Novembro

Se quiserem ver as actividades disponíveis, é só clicar no link:
http://www.cienciaviva.pt/semanact/edicao2008/

E não se esqueçam que a ciência tem muitas vertentes... Ela é feita todos os dias por milhares de pessoas em mil e um domínios. Nos laboratórios das universidades e institutos, nos laboratórios das empresas privadas e centros científicos, em frente ao computador, ao ar livre também... Com poções coloridas, com placas de crescimento de bactérias e fungos, com eléctrodos e máquinas complexas, com microscópios, mas também com binóculos, com cadernos e lápis, com programas de cálculo, com botas de borracha e GPS...

De vez em quando precisamos assim de uma semana para nos lembrar que cá também se faz muita coisa! :)

terça-feira, 18 de novembro de 2008

"Em tudo quanto olhei fiquei em parte"

Damn, estive outra vez a ver fotografias antigas... No comments ;)




Em tudo quanto olhei fiquei em parte.
Com tudo quanto vi, se passa, passo,
Nem distingue a memória
Do que vi do que fui.

Ricardo Reis, in "Odes"

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Vá, um sorriso :)

Pronto, para aligeirar o ambiente deixado pelo último post, aqui vai um cartoon...
E também...
Parabéns ao "tio" João! Muita saúde e alegria para ele!
"Mestre, tenho uma dúvida..." ;)
(saudades...)

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Solidão

Há alguns dias, ao ver o Telejornal, assisti à "forma televisiva" da notícia que transcrevo (em parte) abaixo. Perdoem-me a morbidez do tema, mas deu-me que pensar...


Instituto Medicina Legal: Cerca de 80 corpos ficam por reclamar todos os anos

Todos os anos, cerca de 80 corpos ficam por reclamar nos gabinetes médico-legais do Instituto Nacional de Medicina Legal, a maioria de sem-abrigo, toxicodependentes e imigrantes. Este ano, já ultrapassa a meia centena os mortos que ninguém chora.


Dados do Ministério da Justiça avançados à agência Lusa indicam que, no ano passado, ficaram por reclamar pelas famílias 67 corpos e este ano são já 55, a maioria em Lisboa (18) e no Porto (16).

"São essencialmente casos de pessoas idosas desprezadas pela família, que morrem sozinhas na habitação, num hospital ou num lar de idosos da Segurança Social e depois as famílias não os reclamam para, se calhar, não terem a despesa inerente a um funeral", disse à agência Lusa o presidente do Instituto Nacional de Medicina Legal (INML), Duarte Nuno Vieira.
Entre estes casos estão também muitos toxicodependentes, com idades entre os 30 e os 40 anos, que foram marginalizados pela sociedade e desligados das famílias. (...) Há também muitos imigrantes, principalmente de Leste, que morrem e as famílias não têm recursos económicos para pagar o seu repatriamento, acabando por nunca reclamar os corpos.

Por lei, o prazo máximo que os mortos não reclamados podem ficar nos serviços médico-legais é de 30 dias. Mas há excepções, conforme explicou Duarte Nuno Vieira: "quando sabemos que andam a tentar encontrar a família ou que é um imigrante e que a família está a tentar reunir dinheiro para repatriá-lo, nós, desde que tenhamos capacidade para armazenar o corpo, retemo-lo por mais tempo, às vezes por dois, três ou quatro meses".

Compete depois às câmaras municipais das cidades, onde há as delegações do INML, proceder ao enterramento do corpo, que tem a sua campa identificada com um número atribuído pelo cemitério caso apareça algum familiar. (...) A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) enterrou, entre Outubro de 2007 e Outubro deste ano, 146 mortos no concelho de Lisboa, (...) disse à Lusa o irmão provedor Pedro Vasconcelos, da Irmandade de São Roque, que tem como missão fazer as cerimónias fúnebres destas pessoas.

Alguns são mesmo enterrados sem ninguém saber quem são, pois não têm qualquer cartão que os identifique. Mas como não se sabe a religião que tinham, a Irmandade decidiu fazer, a partir do próximo ano, uma cerimónia com representantes de todas as confissões religiosas.


Fonte: http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?article=369952&visual=26&rss=0




Em que estado de solidão é preciso viver para que, ao morrer, ninguém se lembre de nós? Ninguém sinta a nossa falta? Ninguém repare?

Que mundo é este em que aqueles que nos criaram e nos ensinaram e nos deram tantas vezes o melhor de si se convertem numa despesa incómoda, numa homenagem que é dispensável? Num adeus que não precisa de ser dito?

Que mundo é este em que os vivos morrem para os outros vivos muito antes de o seu corpo morrer de facto? Como é possível isso não nos afectar? Como é possível perdermos o rasto àqueles que amamos, que carregámos na barriga, que nos carregaram?

Será que um dia também se vão esquecer de nós? Também vamos ser um peso morto, um desperdício de dinheiro, um número num cemitério qualquer? Será que vou chegar ao fim da minha vida sem importância para quem quer que seja?

Fico a pensar, cheia de medo, que também posso vir a viver nesta total solidão e o quão doloroso isso deve ser. Posso acabar os meus dias num qualquer canto do mundo longe de todos os que algum dia gostaram de mim. Ou numa cama de hospital, abandonada para morrer, como tantos. Ou no meio da rua, dentro de uma caixa de cartão, sem que quem passa note sequer que ali estou. Quem sabe as voltas que a vida dá? Se assim fôr, quem poderá dizer o dia em que morri? Ninguém, só eu. Pois terei morrido muito antes do que parecerá.

Resta-me a esperança e a vontade firme de, pelo menos, nunca ver isso acontecer nem comigo nem com aqueles de quem gosto. Pois mais importante do que cuidar na morte é cuidar em vida, e uma coisa leva à outra.

E de resto, aqueles de quem gostamos, quando partem, vivem através de nós, nas nossas lembranças...

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Paris!

Finalmente um bocadinho de tempo e paciência para vir apresentar-vos um pouco de Paris!

Paris da Torre Eiffel, do Louvre e do Moulin Rouge... Das Galerias LaFayette, da Ópera Garnier, dos Champs-Elysées... Paris de Montmartre, do Quartier Latin, das ruas da Bastilha... Das Croissanteries, das esplanadas com mesas viradas para a rua, dos cais ao fim da tarde e do metro, outra cidade, subterrânea...

E acima de tudo, Paris das risadas, da vontade de passear e conhecer, da casinha em Charonne, das caminhadas e dores nas pernas, do atum e das salsichas, do avião avariado, das centenas de fotos e das mil luzinhas da Torre Eiffel!...

... e do Homem da Saia Amarela! :D

"As 5 em Paris", foi espectacular!
... e agora, para onde é a próxima viagem? :)















segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Há um ano, por esta hora, estava eu sentada naquela que seria a minha cama por 9 meses, a olhar as fotos da minha família com um aperto no coração. Uma mistura de ansiedade, medo, curiosidade, cansaço e saudade já.

Faz hoje um ano que cheguei a Moçambique e senti o bafo quente e húmido logo na porta do avião. Faz hoje um ano que conheci a família adoptiva que lá deixei.

Tinha estado a chover e as ruas estavam enlameadas. Lembro-me de achar Maputo uma cidade grande e confusa...

Parece-me que foi no outro dia! Afinal já passou um ano.

Também faz hoje 3 meses que voltei. Que bom ter regressado!

E que bom ter ido!!

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Açores II

A ilha na qual estivemos mais dias foi o Faial. Já a tinha visitado mas desta vez gostei mais.

Visitámos vários miradouros, o Museu dos Vulcão dos Capelinhos (recentemente inaugurado e do qual gostei bastante), a cidade da Horta, a Caldeira do Vulcão do Faial, praias e recantos. Também fui com a minha irmã ver golfinhos no mar e confesso que fiquei emocionada! Ter um grupo enorme de golfinhos aos saltos no mar mesmo ao pé de nós, no meio daquele silêncio onde só se ouve a água e os guinchos deles e dos cagarros (pássaros)... é realmente especial! :)


Vulcão dos Capelinhos
A última erupção do vulcão dos Capelinhos foi há 50 anos. Parece muito tempo, mas na verdade não é. Toda a zona ainda está muito despida, parece uma paisagem lunar. Só um ou dois tipos de plantas conseguiram estabelecer-se na zona.


Farol dos Capelinhos, destruído pelos produtos da erupção vulcânica
O farol ficou parcialmente soterrado pelas cinzas. Foi desenterrado e o chão por baixo foi escavado para instalar o Museu, que é subterrâneo, para não estragar a paisagem.


A enorme caldeira do Vulcão do Faial (e os meus pais na varandinha :))


O Pico visto da caldeira

Praia do Almoxarife (a areia negra, como é costume nos Açores)

Momento de descanso :)

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Açores I

Desta vez, visitámos as ilhas Terceira, Pico, São Jorge e Faial.
Como sempre, estava tudo muito verdinho! Infelizmente, nesta altura do ano as hortênsias já estão a secar, por isso o espectáculo não é tão impressionante como em Julho ou início de Agosto. Mas a pureza do ar compensa! ;)
Relembro que os Açores são ilhas de origem vulcânica, o que é bastante óbvio quando se visitam.


Conteira ou roca-de-Vénus, uma flor dos Açores

Ilha Terceira

Piscinas naturais nos Biscoitos


Vista do Forte de S. Sebastião, em Angra do Heroísmo

Que planície!

Ilha do Pico



Formações rochosas nos Cachorros


Vinhas do Pico


Ilha de São Jorge



Piscinas naturais


Vista sobre a costa

De um lado para o outro

Desde o início de Agosto já me fartei de viajar!

Fui ao Andanças dois dias, em Carvalhais (S. Pedro do Sul) e foi óptimo, o melhor de sempre! Só queria ter podido estar mais tempo lá. "O Andanças é um festival onde não se vem ver, vem-se fazer": aulas de ioga, massagens e meditação ao início e fim da tarde, oficinas de dança durante o dia (danças de várias origens e ritmos) e concertos e bailes durante a noite; passeios pela serra, concertos na capela, actividades para crianças, uma feira... Enfim, uma animação todo o santo dia! E mais, o Andanças é de ano para ano mais ecológico: pratos e taças de papel, canecas de alumínio, separação dos lixos, etc... E toda a gente cumpre. Não se vê lixo no chão, nem sequer beatas de cigarros. Acima de tudo, o ambiente é óptimo: as pessoas são simpáticas, animadas, ninguém se ri dos desengonçados (eheheh)...

Depois fui ao Açores com a família. Foram umas belas férias! :)

E por fim, fui a Paris com 4 amigas, numa espécie de viagem de finalistas eheheh Que belos dias foram!

Então, à medida que o tempo e a paciência me deixarem, vou postando sobre a viagem aos Açores e a Paris!

Beijinhos ;)

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Feitiço

Há dias assim, em que vem de mansinho, sem se contar. Em que uma imagem ou uma palavra lembra subitamente algo que pertence ao outro lado do mundo. Há dias assim, em que o feitiço se mostra e ganha poder. Foi-me lançado não sei bem quando, nem onde, nem por quem ou o quê.


terça-feira, 12 de agosto de 2008

Começar com um final

Ainda estou no rescaldo da minha estadia em Moçambique, que terminou há pouco mais de um mês. Com ela terminou também o meu projecto e a minha licenciatura em Biologia. Pois, agora já sou bióloga! :)
Agora vem a fase seguinte e tudo o que posso fazer com o que consegui até aqui. Mas primeiro, as férias, o regresso à família e aos amigos e ao meu país. E aproveitando o começo, recomeço ou a continuação, ou o que quer que seja, começo um novo blog, que não vai contar nada em específico, nem vai ser sobre nada de especial, apenas eu em pequenos textos e imagens, em pequenas partes...

Beijinhos para todos!